O poeta diz: “Filhos/ Para que tê-los?/ E se não tê-los/ Como sabê-los?…”

Pensando bem nessa história

Que coisa doida e maravilhosa

É essa tal maternidade

Esse momento de descoberta

Que não cabe num só ser

E por isso somos dois

É tanta vida e tanto amor

Que necessita ser dividido

Até que não sabemos mais

Onde termina um e começa o outro

E fica tudo tão junto

Tão uno

É tudo tão perto

Tão certo

Que não se sabe mais

Se o choro é de dor

Ou de alegria

Só se sabe que tudo

É apenas mais um começo de vida!